Bate Papo com cineasta Cristiano Burlan

Aburlan E.N.T há dois anos vem ampliando sua atuação para área do cinema e trazendo profissionais para aulas abertas e cursos regulares de interpretação para cinema, no dia 01 de maio (domingo) as 17:30 receberemos o cineasta Cristiano Burlan para um bate papo sobre o assunto, este evento é aberto ao publico e gratuito porém tem vagas limitadas, para participar é necessário preencher o formulário a seguir para reservar sua vaga :

https://docs.google.com/forms/d/1mxDfj-6uujPbVg9m36lPmqUaeC72BWucyBazNqRTybk/viewform

Sobre Cristiano Burlan

É diretor de cinema e teatro. Na década de noventa morou em Barcelona, onde dirigiu o grupo de cinema experimental “Super-8”. Em São Paulo, esteve à frente do grupo de teatro “A Fúria”. Sua filmografia contém mais de 15 filmes, entre ficções e documentários. É professor da Academia Internacional de Cinema – AIC. A maior parte de sua filmografia participou de importantes festivais, como o Festival de Havana, de Málaga, Toronto, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Festival do Rio, entre outros. Sua última ficção “Amador” estreou na 13a Mostra de Cinema de Tiradentes. Seu documentário mais recente “Mataram Meu Irmão” foi o grande vencedor do É Tudo Verdade 2013, angariando os prêmios de Melhor Filme do Júri Oficial e da Crítica, do 40o Festival SESC de Melhores Filmes como Melhor Documentário do Ano e do Prêmio do Governador do Estado de São Paulo como Melhor Filme. Em 2014 realizou o filme “Hamlet”, que participou no Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, do Festival do Rio e da Mostra CineBH, e entrou em cartaz nos cinemas em 2015. Atualmente desenvolve seu novo longa “Elegia de um Crime”.

Sobre “Fome” filme mais recente de Cristiano Burlan no Festival de Brasilia (fonte: Adoro Cinema)

Fome, de Cristiano Burlan, é uma produção no mínimo ousada. Ela se transforma diversas vezes ao longo da projeção, adquirindo novos caminhos e novas formas. O drama se inicia com a observação não intervencionista de um morador de rua (Jean-Claude Bernardet), até entrarem em cena moradores de rua reais, em registro documental. Depois, uma pesquisadora fictícia torna-se uma personagem tão relevante quanto o morador de rua nesta trama. Fome discute a violência inerente à luta de classes, o incômodo da cidade pela presença de mendigos, e as maneiras de ajudar pessoas em dificuldade. O filme é beneficiado pela atuação comprometida de Jean-Claude Bernardet, que tem se tornado um dos atores mais interessantes do cinema experimental brasileiro.

Trailler Oficial do filme “Fome” 

Trailler oficial de “Hamlet”

Deixe seu comentário