Bacantes – Teatro Oficina

14953573_10207375959339115_4318479509530986891_n

 

A E.N.T está organizando uma ida ao espetáculo “Bacantes” no dia 27 de Novembro (domingo) às 18:00, o valor do ingresso para alunos, ex alunos e acompanhantes é de R$ 60,00 por  R$20,00.

Organizaremos uma lista amiga que será enviada para a produção do espetáculo no dia 24 de Novembro, os interessados devem colocar o nome na lista pelo formulário abaixo:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfTmiKPh99aAXEIU_aMAViNOie5RJGMihkJvuIBYFxachbQWA/viewform

A retirada do ingresso é diretamente na bilheteria do Teat(r)o Oficina (Rua Jaceguai, 520, Bixiga, São Paulo, SP), lembramos a todos que o nome na lista não garante o ingresso APENAS O DESCONTO, então aconselhamos que cheguem com no min 1h de antecedência. 

*** O espetáculo tem Classificação indicativa para maiores de 18 anos, alunos menores não entrarão na lista de desconto

 

Sobre o espetáculo 

Bacantes
de Eurípedes
TragiComédiOrgya e Ópera Brazyleira de Carnaval no Terreiro Eletrônyko
Direção: Zé Celso

2016
Em 2016 a “ordem e progresso” instaurou a crise política y Econômica, com pretensão d durar 20 anos. Mas a Companhia Teatro Oficina Uzyna Uzona vai na contramão e recria o espetáculo com um time de 70 tecno-artistas.

Bacantes põe em cena
a força do poder da presença humana
diante da presença do Poder.

Durante 13 anos, após a volta do Exílio, a Companhia estudou e devorou Bacantes d Eurípedes. Finalizou o trabalho durante a Agonia e Morte do quase Presidente Tancredo Neves, quando seu Neto Aécio Neves emergiu na Política Nacional. Era o momento q Marcelo Drummond editava e Ilustrava o Imagiário do Libreto da Ópera pro Elenco Cantor, Dançarino e Atuador q iria atuar por muitos anos na Festa. As Cerimônias Fúnebres daquele Abril de 1985 tiveram muita influência na construção da Peça e retornam agora como farsa política.

O Rito vive a chegada de Dionyzios, filho de Zeus e da mortal Semelle, em sua cidade natal, TebaSP, que não o reconhece como deus. Trava-se o embate entre o mortal Penteu, filho de Agave, que, através de um golpe de estado, tomou o poder do avô, o Governador Kadmos e tenta proibir a realização do Teatro dos Ritos Báquicos oficiados por Dionyzio e o Coro de Sátiros e Bacantes nos morros da cidade.

Com a ascensão do fascismo e da direita em escala global, Penteu é a personagem mais contemporânea da peça. Ele está presente na cabeça dominante do golpe no Brasil, herança de nosso legado racista, patriarcal, escravocrata e sexista, que tem na propriedade privada a legitimação de genocídios; é o discurso de hategroups que não conseguem contracenar com as diferenças; é a cara nova, do privatizante e “apolítico” projeto neoliberal.

No terceiro ato, o coro de Bacantes e Sátiros que presentificam a multidão – o movimento das mulheres que reexiste frente ao machismo, as lutas sociais – conduzidos por sua mãe, estraçalham e devoram Penteu num trágico banquete antropófago – um rito de adoração da diversidade, que abomina práticas de neutralização ou extinção de outras culturas, pensamentos, estéticas e visões de mundo.

Nesse movimento, o coro se revela mais contemporâneo que Penteu, pois vai em direção ao primitivo, num retorno ao pensamento em estado selvagem com percepção da cosmopolítica indígena, que hoje nos mostra como totemizar a predação e o trauma social do capitalismo e do antropocentrismo que atravessam continentes e séculos carregando a mitologia do Progresso e da Ordem, mantida pelas PMs a qualquer custo.

A Música da Ópera foi composta por Zé Celso, o texto renascido de muitas traduções, inclusive duas do Grego original por professores da USP. Catherine Hirsch, Denise Assunção, Zé Celso buscaram as palavras na língua phalada criola brasileira, q já passou do Português, incorporando o Teatro de Rebolado. Bacantes vai muito além do musical americano, e depois de 21 anos da estreia, a evolução musical do Coro do Teat(r)o Oficina, desde as montagens de Os Sertões até as imersões nas obras de Villa Lobos e Paul Hindemith, preparou a companhia para a atuação nesta ópera eletrocandomblaica com a qualidade que lhe é devida. A música é executada ao vivo pelos coros & banda.

Evoé Bacantes Praticantes q estarão presentes, atuando no Humor, Amor com o Corpo Báquico d 2016!

 

 

Deixe seu comentário